Menu Horizontal

domingo, 7 de julho de 2013

Esposa de Caminhoneiro






Esse conto que vou narrar, foi postado há alguns meses pelo amigo Beto (nome fictício), membro do Grupo MAOSECRETS. Eu lí e achei interessante. Ao parabenizá-lo pela postagem, o mesmo solicitou para colocar aqui no blog. Então, farei um resumo desse episódio.

Tudo começou, quando o Beto voltava de uma viagem que fez ao nordeste.
Era de noite quando ele estava na estrada. Foi passando pelo Estado do Espírito Santo que sentiu o sono bater. Com medo de continuar dirigindo, resolveu parar e pernoitar em um daqueles hotéis que ficam na beira da estrada.
Pensou em escolher um local tranquilo, mas o risco de ser assaltado em um local deserto, fez o Beto procurar por um lugar não tão isolado.

Ele encontrou um posto de combustível grande que tinha um pequeno hotel ao lado. Na outra ponta do hotel, ainda havia um restaurante, um pequeno bar e uma borracharia.  Beto saiu da estrada e estacionou em frente ao hotel.
Na recepção foi bem atendido por uma mulher que chamarei de Sofia (nome fictício). Ele reservou um quarto e perguntou se o restaurante estava funcionando. A Sofia respondeu que aquela hora já não serviam mais nada.
Mas, ela acrescentou que ele poderia comer alguma coisa lá no bar.
Então, o Beto agradeceu e seguiu para lá.

O bar estava lotado. Tinha uma dupla que cantava músicas sertanejas e forró. Alguns casais que frequentavam o local, dançavam na pequena pista improvisada ao centro do salão. O Beto pediu um lanche para viagem, pois ele queria comer sossegado no quarto do hotel.

Ao retornar, a Sofia levou o Beto até o quarto. No corredor, o Beto observou melhor como aquela mulher era linda e sensual, mas também percebeu que ela era casada, pois usava aliança.

Ela perguntou se ele não gostava de dançar por causa do que rolava lá no bar.
O Beto sorriu e falou que só haviam casais e que ele estava desacompanhado.
A Sofia falou que lá, todos eram amigos e que não havia problemas para ele curtir o final da noite com o pessoal se ele quisesse. Aproveitando que a mulher gostava de bater papo, o Beto perguntou se o marido dela também estava lá com os amigos. A Sofia mostrou um pouco de tristeza e comentou que o marido dela era caminhoneiro. Disse que ele estava viajando. A Sofia comentou que ela  desconfiava da fama do seu marido ser mulherengo. Ela acreditava que ele ficava com outras mulheres pelas cidades que ele passava.

Mas, rapidamente, a Sofia sorriu e disse que para matar a solidão, de vez em quando, frequentava aqueles bailinhos junto com os amigos. Ela ainda se explicou que nunca rolou nada além de dançar. Disse que todos também eram amigos do marido dela. Naquela altura da conversa, a Sofia já tinha tirado o sono do Beto, deixando ele animado e pensando se poderia acontecer algo a mais entre eles.

Após abrir a porta do quarto, a Sofia perguntou se o Beto iria tomar banho, pois ela precisava mostrar o registro de gás para aquecer a água. O Beto falou que seria bom, pois ele estava suado por causa da viagem. Então, a Sofia entrou no quarto e foi mostrar no banheiro como era o funcionamento que ligava e desligava o gás. O registro ficava no alto da parede. Sofia subiu numa cadeira e fez força para girar o registro.  Na hora, ela quase caiu, mas o Beto a segurou,  evitando a sua queda. Foi inevitável, eles se olharam com olhar de paixão. Mas,  a Sofia se esquivou, dizendo que precisava ir logo, pois não podia abandonar a recepção do hotel.

O Beto sorriu e perguntou que horas ela ia encerrar o expediente. A Sofia respondeu que faltava meia hora. Ele perguntou se não tinha nada para beber, pois iria comer o lanche a seco. A Sofia pediu para ele aguardar. Disse que após fechar a porta do hotel, ela traria uma jarra de suco prá ele.

No final, eles tiveram uma noite juntos, como se fossem dois namorados ...


Adaptação: Marco Okuma para o Blog de MAOSECRETS
Contato sobre contos: mao_secrets@ymail.com

Postar um comentário

Deixe o seu comentário aqui ! A sua opinião é muito importante para nós !
Mas lembre-se: Gentileza gera gentileza !
Serão excluídos sem aviso prévio as ofensas e os comentários que contrariem as leis e a boa moral.